quinta-feira, 7 de abril de 2011

Cobertura trágica


O massacre que aconteceu na manhã desta quinta-feira, em Realengo (RJ), foi uma das piores tragédias que tive o desprazer de acompanhar. É revoltante saber que um sujeito fortemente armado invadiu uma escola e matou 11 crianças. Nada justifica uma atitude monstruosa e inumana como essa. É algo horrível.

Assim, a atrocidade cometida por Wellington Menezes de Oliveira, que deveria causar revolta o suficiente apenas pela maneira como aconteceu, me deixou ainda mais indignado ao ver a forma como foi tratada pela imprensa brasileira.

Poucos minutos após receber a notícia, notei o seguinte comentário: “Violência importada. Have you seen something like that on the movies?”. Achei o comentário, vindo de um companheiro de profissão, extremamente raso e preguiçoso. Colocar a culpa do que aconteceu nos Estados Unidos ou em qualquer outro país é simplesmente um absurdo, algo que não deveria ser cogitado em hipótese alguma por um jornalista. É um pensamento colonizado, treinado apenas para achar um culpado para tudo, sem nenhuma análise aprofundada sobre como a sociedade brasileira e suas dificuldades podem influenciar na criação de assassinos.

Não sou nenhum especialista, mas penso que a violência, entre outras coisas, é resultado de diversos conflitos sociais. Acreditar que os filmes americanos são os principais responsáveis pela morte de 11 crianças na Zona Oeste do Rio de Janeiro é lamentável. Coisa de quem não consegue pensar sem uma coleira. Daqui a pouco, é provável que essa mesma pessoa coloque a culpa em Portugal por ter nos colonizado de forma violenta.

Outro ponto que me deixou profundamente irritado foi o show de sensacionalismo barato protagonizado por Reinaldo Gottino. Era visível a luta do apresentador do SP Record para ser mais chocante do que o fato em si. Uma abordagem patética, desrespeitosa e altamente despreparada. A guerra pela audiência deveria ficar em segundo plano na cobertura de tragédias como a que aconteceu em Realengo.

Será que nenhuma dessas pessoas, em momento algum, questionou as condições precárias da segurança pública brasileira?

Como um homem armado entra em uma escola sem nenhuma resistência e mata 11 crianças inocentes?

É tão mais simples colocar a culpa nos EUA?

É válido desrespeitar o momento de luto dos pais das vítimas apenas para conseguir audiência? E quando vamos encarar a realidade?

E quando vamos votar direito e exigir mudanças concretas dos nossos governantes ao invés de colocar palhaços no poder?

Nosso jornalismo é despreparado...

Feliz dia do jornalista...

2 comentários:

Cotidiano disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Bruno disse...

Faço das suas as minha palavras Patrick. Parabens pelo artigo.
Bruno Lima