quarta-feira, 26 de maio de 2010

#2


Aos 38 anos de idade, Paul Dedrick Gray, baixista do Slipknot, foi encontrado morto na manhã desta segunda-feira (24). O corpo estava no quarto de um hotel em Iowa, terra natal da banda, nos Estados Unidos. A polícia ainda não sabe a causa da morte e também não encontrou nenhuma evidência de crime. Um teste toxicológico será realizado junto à autópsia para saber se o músico estava sob efeito de drogas no momento em que morreu.

A notícia da morte de Paul mexeu comigo em “efeito retardado”. No primeiro momento tratei com muita naturalidade, mas hoje, após ver a entrevista coletiva concedida pela banda, percebi que estava com medo de demonstrar abatimento e o quanto estou triste.

#2 nunca foi o meu integrante favorito da banda, mas por quase três anos me dediquei a imitá-lo em um Slipknot cover. Balançava a cabeça como ele fazia no palco, comprei um baixo igual e até mesmo o modelo de Puma que ele usava. Quase que sem perceber, Paul fez parte do meu dia-a-dia.

Sempre rejeitei qualquer comparação e também nunca aceitei ser chamado pelo nome dele quando algum fã vinha falar comigo porque não me achava parecido em nenhum aspecto, sem contar o fato de ser canhoto. Ao mesmo tempo, me sentia um pouquinho orgulhoso por alguém me chamar de Paul.

As músicas tocadas por ele estiveram presentes em quase todos os dias da última fase da minha longa adolescência e por diversas vezes me levaram a momentos de extrema raiva e êxtase no palco. Era uma sensação inexplicável, mas nada comparado à dor de perder uma referência no mundo da música. Sempre vou lembrar-me dele de maneira orgulhosa.

Ainda tinha a esperança de ver o Slipknot novamente no Brasil e com a formação original, mas infelizmente não será possível. Fica a memória do grande show realizado em 2005 e a satisfação de ter visto eles no auge.

O ciclo termina aqui e agora. Literalmente... Daqui para frente o grupo não será o mesmo. É o fim de uma banda que esteve presente em situações de alegria e tristeza, sempre de forma intensa, assim como são as suas músicas.

Intensidade, raiva, dor e vazio, são elementos necessários nas faixas do Slip. Curiosamente hoje, é exatamente assim como me sinto. Por que só quando perdemos alguém fazemos um balanço do quanto ela era importante para nós?




quarta-feira, 19 de maio de 2010

Olho gordo catalão?


O Barcelona anunciou o primeiro reforço para a temporada 2010/11. David Villa, atacante da seleção espanhola e que atuava no Valencia, firmou um contrato milionário com o clube catalão e deve ser apresentado oficialmente nos próximos dias.


Apesar do “boom” da notícia, existe um lado negativo (é claro que pouco visível perto da chegada de um ótimo jogador). Com a contratação de Villa, o Barça praticamente confessa que não sabe cuidar do dinheiro que ganha. Gastar 30 milhões de euros, mais o camaronês Samuel Eto’o, para comprar o sueco Ibrahimovic, que estava na Internazionale, não foi um equivoco, mas o desfecho da história pode ser considerado um fiasco.


Campeão da temporada 2008/09 do Campeonato Espanhol e vencedor incontestável da Champions League na mesma época, o time comandado por Pepe Guardiola possuía um ataque extremamente educado taticamente e entrosado. Messi pela direita, com cortes para o meio, Thiery Henry pela esquerda, posição que consagrou o atleta no Arsenal, e Eto’o pelo meio, centro-avante com características de velocidade e que sabia jogar fora da área.


Se levar em consideração esse panorama, fica a pergunta: Por que mexer no bolso e comprar o Ibrahimovic??? A resposta está a 628 quilômetros de distância da Catalunha, para ser mais preciso em Madrid. Pressionado pelas contratações de “grife” (Cristiano Ronaldo e Kaká) realizadas pelo maior rival, o Barcelona se viu na “obrigação” de dar uma resposta à altura... E de fato deu! Fechou contrato com um dos maiores atacantes do Calcio... Mas precisava? NÃO!


Apesar de muito criticado pela imprensa local, por estar longe de ser o jogador dos tempos de Inter, os números do sueco ficaram dentro de uma média aceitável, se considerar o fato de que foi o primeiro ano em outro país, que tem um estilo de campeonato totalmente diferente. Na temporada 2009/10 da La Liga, ele colaborou com 16 gols em 29 jogos, sendo 23 como titular, na caminhada irretocável do clube catalão até o título nacional. Foram 99 pontos e um aproveitamento de 86%, a melhor campanha de todos os tempos de uma equipe na competição.


Dessa forma, não seria nenhum exagero dizer que Ibrahimovic, mesmo sem muito brilho, se encaixou no esquema do Barça. Logo, surgem mais perguntas: Por que gastar 40 milhões de euros para contratar o David Villa após o clube ter feito a melhor campanha da história na Espanha??? E o que fazer com o sueco no elenco??? Vender??? Por quanto??? Aposto que por bem menos do que os 30 milhões mais Samuel Eto’o. Será que ninguém vê que isso será prejuízo???



Realmente... O Barcelona, assim como o Real Madrid, e apesar de ter a categoria de base mais eficiente do mundo, também apronta das suas presepadas financeiras!!! Eita olho gordo!!!