sexta-feira, 18 de dezembro de 2009

Frusciante deixa os Chili Peppers....e agora?



Através de um post em seu blog, o guitarrista John Frusciante confirmou sua saída do Red Hot Chili Peppers. De acordo com o músico, “a decisão ocorreu há um ano, quando o grupo estava em hiato indefinido”, escreveu.

"Não houve drama ou raiva, e os outros caras foram bastante compreensivos. Eles apóiam que eu faça qualquer coisa que me deixe feliz, e isso vale para os dois lados", continuou.

O guitarrista revelou que desejo de trabalhar por conta própria foi um dos motivos preponderantes em sua decisão.

“Para pôr de forma simplificada, meus interesses musicais me colocaram em rota diferente. Durante todo o meu tempo na banda, estava muito animado com explorar as possibilidades musicais inerentes a uma banda de rock, e fazer isso com aquelas pessoas em particular. Há dois anos, comecei a sentir a mesma animação de novo, mas desta vez foi por fazer um tipo diferente de música, sozinho, e ser meu próprio engenheiro”, afirmou.

Frusciante encerrou seu post ao declarar que precisava ser ele mesmo e que não se sentiria a vontade cumprindo apenas um dever.

"Entendo e valorizo que meu trabalho com eles signifique bastante para muitas pessoas, mas preciso perseguir meus interesses. Para mim, arte nunca foi algo que devesse ser cumprido com um senso de dever. É algo que faço porque é realmente divertido, excitante e interessante. Pelos últimos 12 anos, eu mudei, como pessoa e artista, a tal nível que realizar próximos trabalhos da forma que eu fazia com a banda seria contra minha própria natureza. Não houve escolha envolvida na minha decisão. Eu simplesmente tenho que ser o que sou, e fazer o que preciso fazer", finalizou.

Há poucos meses, algumas atitudes davam conta de que o clima era preocupante. O baterista, Chad Smith, e o próprio Frusciante, em entrevistas, mostravam-se incertos quanto ao futuro do Chili Peppers.

Em maio, a banda tocou em um evento beneficente e, para a surpresa dos presentes, Frusciante não estava no palco. Em seu lugar, encontrava-se justamente Josh Klinghoffer, que deve assumir o posto temporariamente, até que o grupo encontre um integrante definitivo.

Esta não é a primeira vez que John deixa o Red Hot. Após o estrondoso sucesso atingido pelo disco Blood Sugar Sex Magik (1991), no ano seguinte, em 92, ele saiu alegando problemas relacionados ao excessivo consumo de heroína. Recuperado, em 1998, o guitarrista retornou ao grupo e foi uma peça fundamental para a conquista de inúmeros prêmios através do álbum Californication (1999).

Em outubro, quando o Red Hot Chili Peppers retornou, após permanecer dois anos em “férias”, Chad Smith declarou que a banda lançaria um novo disco em 2010. No entanto, agora, provavelmente o futuro dos californianos é incerto. Para os fãs, só resta esperar e torcer para que um substituto à altura assuma a vaga.

quinta-feira, 3 de dezembro de 2009

Mais um CD do Stone Sour!!! Ebaaaa


O vocalista Corey Taylor, conhecido por liderar o Slipknot, afirmou que sua outra banda, o Stone Sour, vai entrar em estúdio a partir do mês de janeiro para a gravação do próximo álbum.

Ainda sem nome nem data certa para o lançamento, a expectativa é de que o terceiro registro do grupo esteja nas lojas até julho de 2010.


Empolgado, Corey disse que a banda já possui algumas músicas prontas e outras 15 estão em processo de finalização.
O cantor garantiu que o conteúdo das músicas será mais sombrio, maduro e forte do que o realizado no Come What(ever) May, último álbum lançado pelo grupo.

terça-feira, 8 de setembro de 2009

Manual do egoísmo em um dia de chuva!


A terça-feira, dia 8 de setembro, foi de tirar o fôlego e principalmente a paciência de muitos paulistanos... Menos a minha! Estar em casa em um dia de semana, sem trabalhar e sem ir para a faculdade é uma dádiva.

Quando acordei, descobri que o mundo desabou, o caos tomou conta de São Paulo por todos os cantos... E eu em casa... Em um pleno exercício da falta do que fazer. Às vezes eu penso que tudo poderia ser diferente, enquanto eu estou em casa pessoas estão literalmente em baixo d’água na lamentação da perda de seus pertences... E eu em casa... Sem nada para fazer.

O fato de não poder estar em todos os lugares e de não ter condições de mudar essa situação passou batido pela minha cabeça... Foi um dia de puro alívio. Trabalhar todos os dias me fez quebrar o laço com o mundo que está ao meu redor e viver a minha vida apenas para meus inícios, meios e fins. Como há muito não fazia desabei no sofá e me esqueci de tudo. Não queria saber das notícias sobre desabamentos, sobre o transito, sobre os trabalhos da faculdade.

É um conflito aberto! Parte da minha pessoa queria lutar e estava indignada com tudo aquilo que acontecia, mas estava meio fraca... Enquanto a outra parte ganhava uma força descomunal e queria tirar o dia de folga. Afinal, estar de bobeira em um dia de semana é diferente do que no feriado ou no fim de semana... A energia é diferente, mexeu comigo. Afinal, não é de hoje que enchentes e dias caóticos como esse assolam a Capital paulistana. Afinal, não sou um ser perfeito e imune a pensamentos idiotas... Assim, o mundo enlouqueceu e me permiti não pensar em mais nada.

Não me julgo um pecador de meus princípios sociais e vou dar um basta nesse exercício, mas não agora... Tenho que dormir para trabalhar amanhã... No caos camuflado que não existirá mais. Nem no meu emprego, nem na minha faculdade, muito menos na imprensa e provavelmente no mundo... Às vezes penso que só eu passo tempo pensando nisso enquanto todos os outros esquecem no dia seguinte.

Amanhã tudo volta ao normal (pelo menos é o que parece) e eu espero, com todas as forças, que o meu espírito de luta, que entrou em colapso assim como São Paulo, também volte para por fim nos pensamentos mais egoístas do ano.

Enganei-me novamente... Quando pensei que não havia sido afetado pela turbulência desse dia, fui pego por um caos maior ainda... Eu contra eu mesmo no meu próprio sofá. Deveria ter saído de casa mesmo nesse temporal... Seria menos desnecessário do que entrar em mais um conflito pessoal.

segunda-feira, 27 de julho de 2009

A teoria dos elogios

Ahh sim... os elogios. Quem não gosta de receber alguns? De fato, ser elogiado é realmente incrível! Faz o dia cinza se tornar azul, cessa a chuva interminável e por aí vai.

Há algum tempo, lembrei das coisas que tinha feito desde o começo do ano, na verdade desde sei lá quando e concluí que do jeito que estava não chegaria a lugar algum. Infantilidade, preguiça, falta de foco e ainda queria ser elogiado por alguém, ser reconhecido, mas não fazia nada para isso.

Queria ser uma pessoa, como já diziam os Los Hermanos, que vence a briga sem suar, que ganha aplausos sem querer. Sempre me achei talentoso para diversas coisas, porém, só isso não é o suficiente. É necessário esforço e muito. Então decidi mudar as coisas... dar um novo rumo... nada de recomeço, considero isso uma desculpa de quem não quer admitir os erros cometidos e finge que apagou tudo para tentar um novo caminho. Não quis me esconder, nada de um ressurgimento triunfal, isso é balela também. Uma bela teoria, mas na prática não é assim.

Agarrei-me ao passado, pois é ele que te torna grandioso e serve como parâmetro em uma possível evolução. Então, tentei simplesmente não cair nas mesmas armadilhas cotidianas e mudar as coisas pouco a pouco... dei a cara pra bater... e não é que deu certo!!!

Hoje, tenho desempenhado um bom papel nos meus empregos, tenho sido elogiado e reconhecido pelo esforço demonstrado... agora, posso garantir que os “aplausos” recebidos são por puro mérito, suor e, claro, uma pitadinha de talento. Descobri que reconhecer as atitudes erradas e fazer o possível para “arrumar as coisas” é o que separa meninos de homens...

Pode parecer prepotência, mas não é!!! Do mesmo jeito que fui homem para admitir que precisava mudar, sou homem para reconhecer a própria evolução e pretendo continuar assim por longos dias. Pode parecer pouco também, todavia, para quem não tinha nada... metade é o dobro. Quem sabe eu não me perca novamente? Isso realmente pode acontecer, mas estou mais preparado do que ontem... Assim como amanhã estarei mais do que hoje.

Por onde comecei mesmo? Ahh sim... os elogios. Quem não gosta de receber alguns? De fato, ser elogiado é realmente incrível! Faz o dia cinza se tornar azul, cessa a chuva interminável e por aí vai. ELES NÃO ENCHEM SUA BARRIGA, MUITO MENOS RESOLVEM SEUS PROBLEMAS, MAS QUE SÃO BONS... JÁ NÃO RESTA A MENOR DÚVIDA!!!

PS: E VOCÊ, O QUE TEM FEITO PARA MERECER OS ELOGIOS???



terça-feira, 14 de julho de 2009

A primeira jornada


Era dia de estréia no rádio! Iria participar da transmissão de São Paulo X Flamengo pela Expressão FM. Acordei cedo, estranho, pensativo, sem fome e com aquele enorme frio na barriga. Afinal, quem não sente isso?

Como gosto de fazer em dias importantes, tratei de iniciar um plano motivacional para o trabalho novo. Peguei fotos de família e com os amigos de infância, lembrei da sexta-feira incrível ao lado da Naty e do Thiagão e, antes de sair de casa, pensei: É por eles e por esses momentos que farei o melhor... Sempre! (Gosto de pensar por quem e porque vou fazer algo que considero importante).

Cheguei ao trabalho adiantado! Eram 15:45 da tarde e a transmissão deveria ter começado há 15 minutos. Mas, o sinal que vinha do estádio do Morumbi não parava de cair. Dessa forma, até estabilizarem a situação, a equipe deveria abrir a jornada esportiva do estúdio e de maneira improvisada... Um pandemônio!!!

Corre, corre dentro da rádio, minha produtora nervosa com a situação, a internet que não colaborava, e lá estava eu... Em um estúdio, com um microfone aberto, com a certeza de existiam ouvintes do outro lado e de que tudo estava fora do roteiro, claro! A primeira coisa que veio em minha mente foi a vontade gritar a plenos pulmões: “QUE DIABOS EU ESTOU FAZENDO AQUI NESSA LOUCURA?”.

A resposta para essa questão veio de maneira instantânea... Naquele momento eu deveria simplesmente exercer a minha profissão, o jornalismo que amo e admiro. Lembrei que, historicamente, esses contratempos fazem daquilo que escolhi para minha vida, como o meu ganha pão, e que estava pronto para aquele “teste”. Enchi o peito e fui para o ar contribuir com a equipe, de maneira trêmula, mas extremamente feliz por ser parte daquela correria.

Eram 18:30 quando encerramos o plantão esportivo, suspirei e bati palmas para todos que estavam na rádio. Nesse momento, confesso que me senti leve, com as pernas fracas, morto de fome após toda aquela tensão e orgulhoso pelos elogios recebidos. Esperamos o chefe retornar do Morumbi e fomos tomar uma cerveja.

Já no bar, todos que fizeram parte da jornada estavam felizes, como se nada tivesse acontecido. Como era possível passar por tanta coisa, em um domingo frio, com o risco de nada ir para o ar e minutos depois estar na mesa de um boteco com aquele sorriso no rosto? Era o momento de celebrar a minha decisão de ter um dia diferente do outro, sem rotina. Afinal, são coisas da profissão!

Fui para a casa, desabei na cama e comecei a torcer para que a próxima transmissão chegue logo!!!


sexta-feira, 3 de julho de 2009

É isso aí Mano!


O título da Copa do Brasil serviu para consagrar um trabalho diferenciado realizado pelo Corinthians. Uma ascensão violenta que começou na Série B e terminou na Libertadores 2010. Mas, muito do que o time conquistou, em minha opinião, nessa nova caminhada se deve a um personagem: Mano Menezes. O treinador foi de longe a melhor contratação feita pelo clube nos últimos anos.

Além de ter sido corajoso para assumir uma das maiores equipes do país em um momento difícil, Mano foi sensacional ao montar um 4-3-3 com peças tão bem encaixadas e que vira uma espécie de 3-4-3 quando o time possui a bola no ataque. Com essa variação o time não fica previsível e consegue ser ofensivo e precavido ao mesmo tempo. Para armar um esquema desses é preciso estar atualizado em tudo o que acontece no futebol atual, e Mano provou que está.

Três pontos foram decisivos para o para que o trabalho do técnico no comando do Timão 2009 fosse um sucesso:

· O primeiro foi o de controlar a vaidade na equipe e não deixar que o elenco ficasse com ciúme ou dependente de Ronaldo, os jogadores poderiam jogar a bola para o Fenômeno e esperar ele resolver sozinho, mas não foi o que aconteceu.


· O segundo foi “inventar” as peças necessárias para o meio de campo, quem diria que Cristian (que não jogou absolutamente nada no Flamengo) e Elias (jogador de Copa Kaiser há pouco tempo), formariam uma dupla de volantes tão completa.


· O terceiro foi montar um esquema defensivo extremamente confiável, William e Chicão completaram contra o Internacional 40 jogos sem derrota. Essa dupla de zaga deixa o time atacar com liberdade e ainda possui um balanço defensivo bem feito com o Alessandro na cobertura, quando necessário.

Existem outros jogadores que podem e devem ser citados, mas tomei a liberdade de escolher os pontos cruciais no esquema tático e técnico. É claro que existem contestações no jeito Mano Menezes de montar um time, muitos dizem que ele é excessivamente defensivo e até concordo em algumas ocasiões. Mas, após as conquistas recentes, é correto afirmar que o técnico corintiano está no caminho certo para se tornar um dos maiores do Brasil.